Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Depois da noite eleitoral resolvi vir partilhar a minha opinião convosco. E vocês dizem, e bem, não queremos saber, coisa que concordo, mas mesmo assim deixo.

A minha primeira observação é que, em Portugal, mais vale parecer que ser. Isto porque, vi a Assunção Cristas e o CDS em êxtase com o resultado eleitoral. É certo que a Assunção tem coisas estranhas, tais como: nunca anda de transportes públicos, pois não precisa, e quando anda, sem precisar, só vai em hora de ponta; depois, só põe gasolina no carro quando os preços sobem e ainda chama a televisão orgulhosa do feito.

Como sou desconfiado fui tentar perceber porquê desta alegria, e conclui que vinha dos portentosos 6% de votação do CDS no total nacional, e de 6 câmaras ganhas, à hora que escrevi isto, num partido que já teve 30 câmaras e votações de 15%. Agora percebi a razão da Assunção ter aparecido de capacete: tinha batido com a cabeça.



No entanto lá me alertaram: "oh burro, a Assunção Cristas teve 20% em Lisboa. É a segunda força política na capital". Vamos lá conversar: a Assunção não fez mossa ao Medina, e a candidata do PSD era a Teresa Leal Coelho; a Teresa Leal Coelho, repito, a Teresa leal Coelho. Vamos lá ver, a Teresa Coelho foi escolhida pelo método de moeda ao ar entre ela e uma garrafa de Joy de Laranja. E ganhou porque a garrafa se recusou a concorrer contra ela: alegou defesa da honra e desistiu. Depois a Cristas tem outra vantagem: não usa cachecol em Agosto. Ainda assim deve ter em atenção que se o PSD encontrar um líder decente, depois das legislativas está a mandar currículos para o Portas.

Felizmente, isto para a Teresa Leal Coelho já acabou. Agora só trabalha em Janeiro se o tempo estiver bom. Despachou-se rápido da noite das eleições, foi para casa, adormeceu, acordou, e perguntou que eleições eram aquelas que estavam a dar na televisão. Gesto bonito foi ter levado o saquinho com os votos que teve para o papelão para serem reciclados.

Por seu lado Fernando Medina ganhou as eleições a Cristas e a Leal Coelho. Cá está. É o mesmo. Fernando Medina tem de tentar um dia ganhar umas eleições contra candidatos. É que António Costa deixou a Câmara a Medina e agora isto. Suspeito que se os astros não se alinhassem, o Medina estava hoje a dar milhos aos pombos no Terreiro do Paço. O senhor tem o carisma de uma papaia madura. É das poucas pessoas em que o poder não é afrodisíaco. Para quem viu a sua comemoração de vitória, pensou que teria a meia enrolada no sapato e estava à rasca do pé. É duro mas à hora que Medina comemorava, a Leal coelho já estava com pepino nos olhos e a Cristas a deitar os putos. Agora admito que o Medina ao pé da Leal e da Cristas parece o Prémio Nobel do dominó.

Em resumo, a Cristas parece que ganhou e o Medina parece que teve uma grande vitória. A Leal parece que perdeu, mas pela figura a que se prestou, ganhou eterno reconhecimento do partido...assim, também ganhou. Tudo juntinho a corrida a Lisboa foi toda ela muito poucochinha. Voltando ao princípio: tudo o que parece…não é.

Com o resultado desastroso do PSD, Passos Coelho levou umas facadas do Marques Mendes, da Manela, e do Paulo Rangel, e disse que ia "refletir". Segundo sei a reflexão tinha sido no sábado, mas já sabemos que o Passos anda sempre ao lado. O Passos disse que vinha aí o diabo…e não é que acertou…?

Isaltino arrasou: ouvia-se na SIC NOTÍCIAS que "Isaltino foi um autarca modelo no PSD". Todo ele é um modelo, e disse: "tenho de ir que me querem dar beijos e abraços". Compreendo que na Carregueira ao nível do afeto aquilo devia ser complicado. Com esta vitória, eu, se fosse o Isaltino, arranjava um primo na Suiça, outro no Panamá, e outro nas Cayman. Fica a sugestão. Segundo apurei os negócios da Câmara de Oeiras a partir de hoje far-se-ão em telemóveis e cigarros, as moedas usadas na Carregueira e que não permitem trafulhices. Outro facto a registar é que, vistas as coisas, daqui a quatro anos podemos ter o prazer de ver José Sócrates como presidente da República. Adoro Portugal!

Uma novidade no PCP foi o Jerónimo ter assumido a derrota, apesar de ter culpado os eleitores pelo erro de não terem votado no partido. Eu também já fiz isto: não arranjava namorada e dizia que elas é que andavam ceguinhas. Por outro lado, vimos a renovação no PCP. Jerónimo de Sousa estava ladeado por dois senhores enquanto falava, sendo que um deles ainda não tinha 70 anos, o que demonstra que o partido está a olhar para os jovens, o futuro do partido.



Por fim, admito que gosto do Jerónimo. Tem aquela pinta do avô que corta o pão com uma navalha sentado num banco à porta de casa.

E pronto. É a minha análise. E o melhor é voltar pa dentro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:43

espanto.jpg

 

A) Não sei se já repararam mas a TVI continua a passar um reality show, de nome, Love on Top, que muito se assemelha a um bar de alterne clandestino junto à fronteira. Bastaram cinco minutos para perceber que já posso dizer a um amigo que pode cancelar a assinatura de canais que passam documentários sobre a vida animal sem roupa. Não minto que fiquei preso à performance de duas meninas que se esfregavam em dois rapazes, com a sensualidade de esquilos com papeira. A melhor parte é que uma delas, para estimular o parceiro, acariciava-o delicadamente como se estivesse a esfolar um coelho vivo com arames. Pouco confiante, de vez em quando dava-lhe dois toques no papa-formigas a ver se lhe tinha crescido o nariz. Uma coisa que me assalta é o orgulho que os pais devem sentir nas suas petizes e nas mais-valias que foram adquirindo ao longo da vida. Já me imagino a ser pai e estar em casa a comentar a aptidão da minha filha para encerar a trave-mestra. Mas pronto, eu sei que sou muito conservador.

 

B) Vou dizer uma coisa mas não vale rir: PSD escolheu a Teresa Leal Coelho para concorrer à Câmara de Lisboa. Depois de 40 negas, a Teresa ia a passar por ali e perguntaram-lhe se tinha compromissos em Setembro. Também é só um mês de campanha e depois fica livre de novo. Escolher a Teresa Leal Coelho é como sairmos de casa para ir comer ao Gambrinus e acabar na roulote de churros da Praça de Espanha. Planear umas férias na Maldivas e terminar o banco de trás de uma Ford Transit importada no parque de campismo da Costa da Caparica. Vai ser giro a disputa entre a Teresa Leal Coelho e a Assunção Cristas. Se a Cristas vence nos vestidos "frutados" pelo joelho, a Teresa Leal Coelho vence no braço-de-ferro. A acompanhar.

 

C) Vou fazer um trocadilho. Detesto mas aqui tem de ser. Então a Pipoca Mais Doce arrumou com o Arrumadinho? Espero que não tenham achado piada. Vamos lá ver; Pipoca Mais Doce e Arrumadinho; nenhum casal que adota estes dois nomes pode acabar bem. Depois ele virou uma "pipoquinha", e já sabem que uma mulher às vezes não pode com ela própria. Ela comenta sapatos, ele ténis. Ela tem um blog "sobre tudo e sobre nada"; ele tem um blog "sobre coisas em geral". A relação estava condenada ao fracasso: só conversavam sobre "nada" e "sobre coisas em geral". Ainda assim, acho que este é um dos raros casos em que ele sai a ganhar com a separação. Foi à conta dela que ele arranjou os 66 mil seguidores no facebook, e com o divórcio, e as partilhas, ainda leva metade dos 250 mil que ela tem (viram a pesquisa que fiz; merecia um prémio).

 

D) A Moda Lisboa deve estar a dar as últimas: encerrou com a Lili Caneças. Já lá vai o tempo em que as modelos exigiam mais que um tupperware de fritos para desfilar. Segundo relatos, dizem que foi um delírio quando ela entrou. Deve ter sido: imaginem a seleção estar a jogar e entrar o Ruy de Carvalho para o lugar do Cristiano Ronaldo. Era um delírio. A Lili disse que foi "muito acarinhada". Eu não vi, mas será que foi carinho ou os seguranças estavam a tirá-la da simpaticamente da passerelle? Ganda Lili! 72 anos, e está para as curvas!

 

E) Gustavo Santos deu uma entrevista, segundo ele, "fantástica"! Vou experimentar a ver se o ego sobe e aquela conversa resulta. "Sou um desempregado espectacular"!.. Hum, nada, sinto-me na mesma. Não há nenhum guru na venda de banha vermelha que não se tenha em boa conta. Diz ele na entrevista "fantástica", que "foi o cão que o ensinou a ser pai". Bom, se é o cão o cérebro lá em casa fica provado que é mesmo o Gustavo quem escreve os livros. Ainda suspeitei do cão. E tudo encaixa. Lembram-se daquele vídeo em que o Gustavo está a esbracejar e a afastar bichos imaginários? Nesse vídeo diz que a violência doméstica "não é culpa do agressor mas sim do sujeito passivo que escolhe sempre e após cada agressão manter-se". Gosto muito da palavra "escolhe". Eu fui ver cão e percebe-se que é um tipo inteligente, que nunca diria estas barbaridades. Apesar de confiar no cão para educar o petiz espero que o miúdo quando for ao wc não vá à procura de uma árvore. Pergunta final: na escola quem é o encarregado de educação? Viram, acaba em "ão"..ão. Estou muito forte na chalaça manhosa.

 

Isto foram umas soltas espectaculares, sublimes, maravilhosas. Foram, ou perdi a noção? (acabou outra vez em "ão")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:34


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga o Gajo no Facebook


Mais sobre mim

foto do autor








Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D