Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



blo.jpg

Jeroen Dijsselbloem disse ontem que os "países do sul", nos quais inclui Portugal, "gastam o dinheiro em copos e mulheres” e “depois ainda pedem ajuda”. Primeiro facto a assinalar: peço que imaginem a borracheira que os pais deste símio tinham quando escreveram o nome que lhe queriam dar, pois em vez de Jerónimo Dionísio saiu Jeroen Dijsselbloem. Pensem nisso...

 

Mas suspeito que há mais problemas de álcool na família. Com esta cara de lobisomem com defeito, sabendo-se que é casado, será que a mulher fez o teste do balão no dia do casamento? É que além de um ancinho com falta de dois dentes, não estou a ver quem pegava nisto no estado normal. Felizmente estou cá eu para reparar nestas coisas.

 

No entanto dizia ao tipo que não tenho paciência para escrever o nome, que é mais honroso pagar um jantar a uma mulher, ou beber um copo, que o gastar em habilitações académicas falsas, como ele fez, para arranjar um tacho. Cada país com os seus valores. Talvez por isso, por não ter estudado, e ter a inteligência de uma sardinha de lata em óleo, ache que a malta do Sul é tudo uma cambada de rameiras e bêbados. Também perguntava ao Blobomboembobom o que pensa, por exemplo, dos milionários Soares dos Santos e Belmiro de Azevedo, etc, terem sediado as suas empresas na Holanda, pagando aí os impostos, para usufruto dos holandeses e dele próprio, tudo à conta dos tais 9 milhões de vacas e bebedolas.

 

Ainda assim não deixa de ser curioso que isto vem de um rapaz natural da Holanda onde há montras a exibir prostitutas a homens que estão a fumar charros em cafés, tudo legalizado. Certamente depois deste menu, os senhores bebem um galão morninho e vão para o recato do lar. Um exemplo!

 

Outra justificação pode ser a azia por nos países do sul gastar-se dinheiro com mulheres, num jantar, numa conquista, enquanto ele se quiser uma companhia feminina, além de ir para a frente de uma "montra" passar lustro ao castiçal, ter que puxar da carteira e pagar a "bandeirada". De certeza que o Djisseboboom nunca se orientou com uma mulher do sul. E eu compreendo-as, só a pagar e e… Aquele cabelo deve deixar fendas nas costas.

 

Pensando mais profundamente, como costumo fazer, quase levando a cabo uma sessão de psicanálise, talvez o Jerónimo Boboom sinta solidão por ser a rameira do Eurogrupo, ao levar os dias a fazer alfinetes de peito ao Shauble e à Gorda Merkel. Agora ainda mais, e até imagino que tenha os beiços encortiçados, pois tem o lugar como Presidente do Eurogrupo no fio da navalha, por ter levado um enxovalho nas eleições do país dele onde ficou com a votação de um Tino de Rãs, sem fazer campanha, e estas larachas fazem as delícias dos alemães, os únicos que lhe podem manter a malga.

 

Sabem uma coisa? Vou-me abrir com vocês. Suspeito que o João Boboom veio a Portugal e tentou encontrar uma mulher que tivesse a mesma linha de pensamento que ele, de amor aos alemães, que não gostasse dos portugueses, e naturalmente acabou  a noite a beber palhete martelado e a curtir com a Teodora Cardoso. Não vejo outra explicação para este azedume.

 

Dijsselbloem recusou pedir desculpas pelas afirmações, e ainda gozou com quem lhe fez a pergunta. Sinto que não pede desculpa porque acredita mesmo nisto, e provavelmente olha para a sua realidade e nem sonha que seja possível acordar de manhã com cheiro a rosas ao lado e sem ter de pagar a senhora e o respetivo perfume.

 

Para concluir, alguém que diga ao senhor, para quando visitar os países do sul, que existe vida para além do alterne e do álcool. É que com esta vidinha quando regressa à Holanda vai com menos 10 quilos. Gosta pouco o magano.

 

E ele tem sorte que não consigo dizer tudo o que quero pois para escrever o nome dele, praticamente entro em descompensação.

 

Se gostam partilhem, se nem por isso, está bom assim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:53

 

porno.jpgSaiu um estudo sobre a visualização de pornografia em Portugal, e o primeiro dado interessante de análise, é que levamos cerca de oito minutos e meio a…coiso, a ver como eles dizem. Contemplar porno e não "participar", é uma falta de respeito para com a película que estamos a ver; é como comer um bitoque sem o ovo a cavalo. Fica aquele vazio. 

Portugal é um país moderado, e acrescento, despachado. Oito minutos a ensebar o zé colmeia, ou a fazer um solo de campainha, não é nada de especial. Se for em casal, já me parece um tempo aceitável para aquecer os motores e dar início às "agressões" de joelhada sem joelho.

Assim, se não fosse eu a ver dez horas, sem pausa para refeições, o resultado seria ainda mais pobrezinho, uns dois minutos. Como é que acham que mantive esta linha, mesmo estando desempregado?  Ah, pois é, não é por acaso que a minha mãe me dizia em miúdo que tinha muito jeito para puxar lustro às pratas.  Infelizmente por meia dúzia de pessoas como eu, pagam aqueles que o momento mais ousado que têm diariamente, é olhar de soslaio para a Lenka do Preço Certo. 

 

Para compensar estes  oito miseráveis minutos (menos 40 segundos que a média mundial), temos mais mulheres apreciadoras de porno (25%), em comparação com os países do resto do estudo (23%). Talvez seja por causa da conversa do Arroja: "as mulheres não sabem fazer pénis", mas vendo, talvez aprendam…


A hora de "ponta", isto a língua portuguesa é terrível, preferida para consumir novelas sem roupa, vai das 23h à meia-noite, com incidência para as segundas-feiras. Nada melhor que começar a semana a dar ao sino ou ao badalo, ainda para mais quando o badalo já é património da humanidade. Até fica bem.

 

Sem surpresa, os dias mais "ativos são os feriados. São eles: Carnaval, talvez daí os homens gostarem de mascarar-se de mulheres, e …fico por aqui; Dia do Trabalhador, o qual faz sentido, pois é um dia de dar o corpo e a manivela ao manifesto; o 25 de Abril, onde sacar a espingarda é uma obrigação de todos, com ou sem cravo; e no Dia da Imaculada Conceição, que prova que além de tarados somos doentes. Mas saudáveis…

 

Curiosamente é na altura do Natal que há um decréscimo acentuado no tempo de visionamento de pornografia. Não me parece que seja por falta de vontade, pois as rabanadas e o bacalhau são afrodisíacos, mas na minha opinião, o facto de as casas estarem lotadas por familiares, limita as divisões disponíveis para assoar o papa-formigas. Imaginem estarem a esticar o pau de selfie, ou elas a arrumar o hall de entrada, e entrar a tia que não veem há 4 anos, com um prato de azevias. Ou o avô, que ao ver aquilo, confuso, diz que no tempo dele, quando se lavavam por baixo, não era a seco, usavam  água, e era no bidé. Não caía bem. O natal é a altura de redenção…

 

Por zonas, os farenses e os lisboetas são os que veem mais tempo, fazendo do cheiro a borracha queimada, o odor favorito . Os alentejanos, como não podia deixar de ser, também aqui, não são sôfregos e preferem fazê-lo sem pressas e com qualidade.  Em Santarém, é onde o tempo a consumir porno  é mais curto. Devem ser apologistas da ação. Quando ligam o PC já levam a vareta a apontar para norte, e elas, o manjerico a clamar por misericórdia. Se o visionamento for partilhado, a tourada deve começar ainda a página está a abrir, e por ser terra brava, o macho entra logo na arena a aplicar um ferro curto, ou longo, dependendo do exemplar. Não há tempo a perder.
Os distritos onde se consome menos pornografia são Viana do Castelo, Viseu e Braga. Não tenho conhecimento da razão, mas talvez optem por fazer os próprios filmes, ou a net é fraca…


Quase de certeza que foi por causa destes resultados que:

 

"a  Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) pediu à Hot TV, único canal português de conteúdos para adultos para emitir mais "programas em língua portuguesa, uma vez que se assistiu a um "retrocesso" na emissão de conteúdos de origem nacional nos últimos anos".

 


É de salutar que tenhamos um regulador apreciador de pornografia, já distante daquele que só aparecia quando a saia da mulher subia do joelho. No entanto, nem tanto ao mar nem tanto à terra: o regulador tem de deixar de ser tão badalhoco, gastar menos tempo a ver porno, e ir tirar um curso de inglês para perceber os diálogos. Se bem que fico pensativo quando o regulador não percebe o significado de: "ohhhhhhhhhhhhh"; " yesssssssss"; "ahhhhhhhhhhhhh"; "yeahhhhhhhhhhhh", etc. Acho até que é uma língua universal. Ok, eles por  vezes dizem "hello" e "bye", mas, mesmo assim... Depois, a meu ver, o diálogo não é o que motiva as pessoas a ver um filme porno. Primeiro, porque a profundidade do diálogo não é a principal preocupação dos argumentistas, aliás, muito do texto é inventado na hora e consoante a dinâmica no set; segundo, porque compreendemos rapidamente o "enredo", mesmo que não percebamos a conversa. Ainda não começou o filme e já sabemos onde vai acabar.

 

Uma ideia para o governo de António Costa é que, com os portugueses cada vez mais soltos, poderia ser viável uma sobretaxa sobre as atividades auto-recreativas. Cada vez que soasse a sineta, pingava qualquer coisa, salvo seja, para o estado.

 

Para terminar, homens ou mulheres, vejam muito porno e, principalmente, façam muito sexo! Basicamente, sejam felizes! Não concordam?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:11


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga o Gajo no Facebook


Mais sobre mim

foto do autor







Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D