Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Não vi o vídeo da alegada violação publicado no jornal Esgoto da Manhã. Calma, não é que não goste de películas de cinema de autor, mas a minha sanidade ainda está mais saudável que a do director do Esgoto.

 

Apesar de não ter visto o vídeo vou dizer umas coisinhas...

 

Pelo que me é dado a ver o álcool e a mini-saia são as maiores causas de violação/abuso dos tempos modernos. "Ui aquela gaja de mini-saia está mesmo a pedi-las"; ou, "está tão bêbeda que é aproveitar que nem reage. Se bebe sabe que pode haver consequências". Imagino este pessoal se descobre alguém que toma comprimidos para dormir. "Não acorda? Siga que é tipo self-service. Se tivesse acordado/a nada disto acontecia...".

 

Não sei se concordarão comigo, mas esta corrente de pensamento parece-me perigosa, senão reparem: estava a falar com uma amiga, em que ela diz que se a rapariga não tivesse bebido, nada daquilo teria acontecido. Sem se aperceber, logo aqui foi para fora de pé, pois concluiu que se a jovem estivesse sóbria, não apreciava que o rapaz lhe pusesse a mão na língua-de-gato, naquelas condições.

Depois perguntei-lhe se por acaso um dia exagerasse na bebida se não se importava de ser degustada por um mini-bus de ganeses, e ainda ser apontada como provocadora, quando os rapazes só iam a passar.
Admito que fiquei surpreendido com o silêncio. Talvez esta ideia de ser rodeada por cavalheiros robustos e detentores de marretas à cintura, não lhe fizesse assim tanta confusão.

Percebi que não ficou totalmente convencida com os meus argumentos, e pedi-lhe para substituir a sua pessoa por uma filha. Aqui, disse-me que já estava a desconversar. É complicado. Se nos tocar a nós...

Terminei a dizer-lhe, que nunca faça nada que a deixe "anestesiada", pois pode acordar com vontade de pôr pó-de-talco para assaduras... sem saber a razão.

 

Eu penso sempre como seria comigo... Vou a uma festa, bebo demais, vem de lá um atrevido e usufrui de algum orifício meu sem autorização. Não ia apreciar passar duas semanas sentado numa bóia. Depois ainda gostava e era uma chatice.

 

Isto é a mesma história que roubar alguém bêbado. Um bêbado até é capaz de oferecer tudo. Mas em tribunal isso pode ser revertido por aproveitamento de uma pessoa que não está na plenitude das suas capacidades, apesar de ter dado porque quis...

 

Os que filmaram, talvez se conhecessem um actor porno - ainda hoje me impressiono quando o vejo - que tinha uma giboia de 50cm, e lhes dissessem que na próxima, subiam o pau ensebado sem mãos, o Spielberg que têm dentro deles passava-lhes que era um instante.

 

Nós devemos ter muita calma a abordar estas coisas e os sinais que damos, mesmo que nos pareçam óbvios...

publicado às 00:57

image001.jpg

Curiosamente vi em Fátima algumas roulottes. Ficou-me a moer o que serviriam aos clientes. Talvez shots de água-benta e hóstias na chapa? Parece-me o mais lógico. Mas sobre Fátima já lá vamos.

 

Já tivemos metade do mundo; somos campeões europeus; ganhamos o festival da canção; temos o Secretário geral da ONU; o melhor jogador de futebol do mundo; a melhor atriz porno da indústria; o Durão Barroso, presidente da EU, que foi o tapete oficial da gorda alemã; cozinhamos a maior feijoada da história; e até um chocalho português é património mundial. Estamos imparáveis. Aliás, se continuarmos nesta senda, qualquer dia começam a barrar a participação portuguesa nas competições. Para quem diz que estou a exagerar, relembro que a Nossa Senhora tinha o mundo inteiro para aparecer, e escolheu a Cova da Iria para dizer um "oi". Portugal já estava na moda, nós é que não percebíamos.

 

Dito isto, hoje saí de manhã para comprar pão e a pastelaria onde costumo ir ganhou o prémio da melhor arrufada do quarteirão. A partir de agora só me dou com vencedores (logo eu).

 

A propósito do fim-de-semana, o "outro" é que tinha razão: "Fátima, Futebol, e Fado". Não foi fado, mas não andou longe.

 

Visita Papal

 

A sexta -feira começou otimamente, pois mal ligo a televisão vejo a Cristina Ferreira perguntar, "se estava ali à espera do papa", a um senhor que estava ali à espera do papa. Vi que havia pano para mangas, e logo a seguir, a apresentadora disse que, "tinha sido naquele local que os pastorinhos andavam com as ovelhas". "Andavam"? A fazer o quê? Dito assim, sugere algo mais "íntimo" com as coitadas... Não seria, "pastorear"? O que me deu a parecer é que a Cristina Ferreira só sabia que teria acontecido algo em Fátima que metia pastorinhos e uma Senhora em cima de uma árvore. O que já não é mau, diga-se. Ainda nos informou que contou uma história ao filho sobre o Papa.  Isto tudo ainda o papa não tinha chegado. Mudei de canal.

 

Quanto ao evento propriamente dito, a Nossa Senhora não apareceu, mas apareceu o Marcelo, "que está no meio de nós". Outra nota sobre o presidente, é que os beijos que deu na mão do  Papa Xico, assemelharam-se a uma esfoliação a seco. Se o Papa tivesse um anel areava-lhe a prata só com os lábios.  Marcelo foi esperar o Papa ao aeroporto, foi dormir a Cascais, e de manhã arrancou a pé para Fátima pela fresquinha. Sem trânsito foi um tirinho. E quis ir descalço para dificultar.

Quem está lixado com isto é o Passos Colho, que em vez do diabo, viu o Papa em Portugal.

 

Senti também que faltaram claques com cânticos à passagem do Papa. Como por exemplo: "lá lá lá quem não salta é jeová";  e, "eu eu eu Graças a Deus não nasci ateu". Acho que dava uma cor. Por falar em futebol, sobre a questão que está na berra do vídeo-árbitro, é que se existisse em 1917, as dúvidas sobre a aparição da Nossa Senhora não se punham.

 

 A assunção Cristas que também esteve em Fátima, aproveitou para conversações com o Papa e já está em condições de prometer aos lisboetas,  além das vinte estações de metro, vinte aparições da Nossa Senhora em vários locais de Lisboa. Espero que tenha dito ao Papa que quando estava no governo era contra o aumento do salário mínimo, e a favor de cortes nos mais pobres. De certeza que disse.

Rtf

 

Os repórteres do Correio da Manhã choraram quando chegaram a Fátima, dizem eles, por causa da emoção. Para mim choraram com o peso na consciência e medo do castigo divino, pelo jornalismo impar daquele "jornal".

 

Festival da Canção

 

Sobre o festival a primeira coisa que urge dizer é que andou o Eládio Clímaco a levar com o festival durante décadas...para ser o Malato a trazer o caneco. Seria o Eládio que estava a dar azar? Se era vou passar a andar com um Malato no bolso a ver se a sorte muda.

 

Quanto ao Salvador Sobral, fiquei muito contente que tenha ganho o Festival da Canção. Portugal ganhou! Já agora: não sei se notaram mas há partes da música muito parecidas com a ladainha que cantaram no Santuário de Fátima na Procissão das velas, tanto que na segunda vez seguida que ouvi a canção, no sábado, fiquei com uma pontada aqui atrás que demorou a passar. Será por isso que o Papa deu o toque "lá em cima" para ganharmos? Fica a pergunta...

A vitória foi mais que merecida, também porque, no meio das músicas que concorreram, não ganhar, era como se a Cristina Ferreira perdesse um prémio de beleza onde a Fanny era a segunda concorrente mais gira. Falta aquele gostinho. Salvador Sobral concordou comigo, atenção, achando natural ganhar: disse que a canção dele era a melhor, de longe, e que de todas as canções que lá estavam, só gostou da letra (nem foi da música), da concorrente italiana. 

Sei que vou ser insultado pelo "team Sobral" por dizer estas heresias, e que o festival da canção passou de uma treta popularucha para um encontro de música erudita... Até vi pessoas na televisão (SIC Notícias) exatasiadas com o cd do Salvador Sobral, e de como era espantoso, quando até há meia dúzia de dias ninguém "sabia" quem era Salvador Sobral, quanto mais que tinha um cd ou ou uma cassete com músicas.

 

Salvador Sobral perdeu o Ídolos e ganhou o festival, o que só prova que em Portugal somos muito exigentes. Cá, com esta música, Salvador Sobral ouvia do Moura dos Santos : "tu não percebes nada disto, pá; tu não cantas nada".

 

Por outro lado, o saco-cama em Lisboa, em Maio de 2018, vai custar os olhos da cara. Isto se for feito em Lisboa. Vozes já se levantaram a dizer que organizar o festival da canção saía muito caro. Claro, já pusemos 21 mil milhões na banca, temos 3 bancos a falir, e não podemos andar a viver acima das possibilidades nem a gastar dinheiro mal gasto.

Interessante a Alemanha ter-nos dado dez pontos. Noutros tempos nem lá íamos porque a gorda não deixava para não sermos gastadores. Adoro falar na gorda... Também aguardo que Passos Coelho, que diz que tudo o que corre bem em Portugal é responsabilidade dele, venha dizer que Salvador Sobral ganhou porque teve aulas com ele, quando tinha voz de "barítono".

 

Espanha alcançou cinco pontos com a sua música, dados por Portugal. Isto é a humilhação suprema. Está ao nível da "padeira"...

 

Por fim, com esta vitória no festival da canção há que acreditar que podemos melhorar a já belíssima classificação no ranking dos países mais corruptos. Há que fazer por isso, temos gente muito capaz. O céu é o limite.

 

É tudo nosso!

 

*Foto apanhada por aí.

 

publicado às 03:06

shiu.jpg

 

Alguns leitores já me toparam e ciclicamente, e simpaticamente vão-me aconselhando a fechar a página e a dedicar-me a outro hobbie, pois a escrita de humor está para mim como Rita Pereira está para jurada de um programa de dança.

 

Há dias atrás em determinado post um leitor disse-me que para "escrever aquilo mais valia estar quieto". Perguntei-lhe sobre que deveria escrever, ao que me respondeu, "não sei...".

Aceitei o repto e vou seguir a sugestão e dissertar sobre o "não sei".

 

Estou sentado e não sei sobre o que vou escrever. É a primeira vez que escrevo e não sei o que vem a seguir, só que quero dizer algo sobre isto e não sei. Só sei que vou escrever sobre não sei, mas não sei por onde começar, nem sei se vocês querem saber o que não sei sobre este assunto. Ou seja nem sei se vocês terão interesse em ler alguma coisa que nem eu sei o que quero dizer.

 

Introduzido o tema não sei o que vem a seguir, mas acho que a ideia chave vocês já perceberam: eu não sei o que estou para aqui a dizer. Basicamente eu não sei muito sobre nada, por isso escrever sobre não sei não foge muito ao habitual, daí já ter escrito este bocado, o que me deixa realmente preocupado. Chego a este ponto e não sei se o que escrevi faz sentido, não sei se vocês acham que estou ainda mais parvo, no fundo, não sei nada.

Concluo que mesmo para escrever sobre não sei, tenho que saber escrever sobre algo que não sei, e não saber nada, obriga a escrever sobre nada. Juntando tudo, não sei nada, e não sabendo nada, este foi o texto mais difícil que já escrevi, pois não disse nada e se calhar o leitor tem razão. Não sei este post será mais interessante que aquele que o leitor não gostou, mas a verdade é que não sei se sugestão me deixou convencido a alterar o meu método. Não sei...

 

Acham que queimei de vez? Não sabem?

publicado às 11:44

No Maple Com o Gajo (Papa Xico)

por Gajo, em 09.05.17

papa.jpg

 

Peço aos mais sensíveis com o tema da religião que não leiam este post para evitarem indisposições.
 
 
Talvez seja a entrevista mais importante que fiz até agora. Tenho hoje no Maple, o Papa Xico, o representante de Deus na terra. Para muitos o Papa mais bacano de sempre, o que confirmo depois desta entrevista.

 

Gajo

Não tenho palavras para descrever a emoção que sinto ao vê-lo sentado no Maple…No fim tiramos uma selfie. Sem fotografia é como se não acontecesse. Sei que me percebe pois também anda nas redes sociais.

 

Papa Xico

Sim, as redes sociais são muito pecaminosas e é preciso um trabalho de limpeza. Veja-se isso das nudes...

 

Gajo

O que são nudes?

 

Papa Xico

Esqueça... Caro Gajo, deixe-me que lhe diga que uma das razões que me fez vir foi a oportunidade de me sentar neste Maple, falado por esse mundo fora. Este conforto é praticamente tocar o céu. Tem aqui ao lado este banquinho para quê?

 

Gajo

O banquinho é…depois explico. Papa Xico, o senhor, em novo, foi segurança de um bar; dançava tango; gostava de ir à bola; e tirou um curso de química. Eu, também em novo, trabalhei num bar; neste bar cheguei a pôr tangos para as pessoas dançarem; também gostava de ir à bola, e também tenho cursos. Dito isto, se fiz tudo certo, o que é que correu mal para eu estar desempregado e o Papa Xico estar de cavalinho? O seu "Patrão" não vai à bola comigo?

 

Papa Xico

Isso terá de falar com Ele.

 

Gajo

Estava a meter a cunha. O mais próximo que andei de ter um trabalho como o seu foi quando trabalhei em time-sharing...

 

Papa Xico

Está a querer dizer-me alguma coisa?

 

Gajo

Nada, nada, na altura acreditava que os empreendimentos para os quais vendia férias também existiam.

 

Papa Xico

Olhe Gajo, fale com Ele. Mas Ele não é fácil de apanhar. Eu que trabalho para Ele nunca O vi.

 

Gajo

Eu tento, mas não me passa cartuxo. Também gostava de ter um patrão desses; não chateia, não aparece, não obriga a cumprir horas. Vidinha santa é o que é.

 

Papa Xico

Verdade, imagine que era como o Ljubomir Stanisic, do "Pesadelo na Cozinha"? Já me tinha posto ao fresco. É que nem um vinagrete sei fazer…

 

Gajo

Exato, e que obrigava o Papa Xico a angariar 1 milhão de fieis até ao fim do ano para cumprir os objetivos da "empresa".

 

Papa Xico

Mas isto não é fácil, Ele está no meio de nós…anda sempre de olho.

 

Gajo

Lá está e foi por isso que trouxe o banquinho. Em vez de estar no meio, sentava-se aí ao lado. É que se estiver no meio de nós, não conseguimos conversar em condições.

Mudemos de tema. No próximo sábado estará em Fátima. Segundo ouvi dizer vão gastar milhões em segurança para o Papa Xico. Isto não é um contrassenso? Se não o protege a si, como é que podemos acreditar que nos protege a nós?

 

Papa Xico

Percebo a pergunta. Ele queria cá vir, mas quem é que consegue arranjar alojamento em Fátima nesta altura? E se consegue, só se assaltar a caixa das esmolas para pagá-lo. Fora alimentação. Ainda pensou em vir, mas tem a viatura na revisão, e solução era vir a pé, mas ainda é um esticão.

 

Gajo

Há muitas pessoas que vão a pé para Fátima...

 

Papa Xico

Pois, compreendo, o problema com o estacionamento. Em Itália também é assim, não é só em Fátima. E eu só vim porque me arranjaram um avião e um quarto, em regime de meia pensão, e serventia da cozinha. Não fosse isso não punha cá os cotos.

 

Gajo

Já agora, o que é que achou do Terço gigante que foi posto no Santuário, idealizado pela Joana Vasconcelos?

 

Papa Xico

Vai ser difícil alguém pôr aquilo ao pescoço.

 

Gajo

A Joana tem a criatividade de um canteiro de pedras polidas.É uma artista que quando lhe pedem alguma coisa, ela faz essa coisa em grande. 

 

Papa Xico

Ainda pensei em pedir-lhe para fazer as hóstias...

 

Gajo

Ainda bem que não pediu. Por falar em arte. O que acha disto?

 

escultura.jpg

 

Papa Xico

Cruzes, quem é que fez isto? Depois do busto do Ronaldo…Vocês têm problemas com estas coisas.

 

Gajo

Salvo erro, é uma peça da Vista Alegre.

 

Papa Xico

Faz sentido. Algumas senhoras desatentas devem ficar com a "vista alegre" ao verem isto. Se leu sobre mim, sabe que sou danado para a brincadeira.

 

Gajo

E sobre esta foto, que tem a dizer? Repare nos pormenores com muita atenção.

crocs.jpg

 

 

Papa Xico

Incrível. Nem sei que diga. É preciso acabar com este flagelo!

 

Gajo

Nunca entendi. Alguém devia ser punido por permitir uma coisa destas. É uma criança…

 

Papa Xico

Sem dúvida! Como é que um pai permite que a sua filha use crocs?!

 

Gajo

Não há desculpa. É a coisa mais bizarra da história do calçado.

 

Papa Xico

Um aparte. O Gajo está um homem de pouca fé…

 

Gajo

Não. O Deus em que acredito não é castigador. Diz-se que morreu na cruz para nos livrar do sofrimento. Tenho-O como boa Pessoa. O Homem é que faz o cambio da fé em euros e em castigos para as "ovelhas" não se tresmalharem. É nisto que não acredito.

 

Papa Xico

Está corrente de ar aqui.

 

Gajo

Está não está? Por exemplo que acha daquele outro senhor que cobra 2500 euros para fazer caminhadas até Fátima, para pagar as promessas de outras pessoas?

 

Papa Xico

Quer dizer, não me parece mal. Um senhor empreendedor. É tipo uma empreitada. O problema é se fica bem feito. No outro dia mandei arranjar as meias-solas destes sapatos, o sapateiro deu a um amigo para fazer, e agora tenho um prego a moer-me a polpa da sola do pé.

 

Gajo

Responda lá se considera ou não que a igreja cada vez mais é um negócio, algo que afasta as pessoas?

 

Papa Xico

Gajo, tenho o Papa Mobile mal estacionado e os tipos da Emel andam aí que nem cães. Ainda no outro dia levei um chimbalau de 200 euros por ter a Luz Divina fundida.

 

Gajo

Um abraço e até sábado. Foi uma pena Ele não ter aparecido. Continue o bom trabalho…

 

E pronto foi a entrevista possível. A partir de hoje é que não arranjo mesmo emprego.

 

PS - Se gostaram partilhem. Isso é porreiro e fico todo contente. Se coiso, fica assim. 

Até podem receber o que escrevo por email. Dito assim parece uma coisa boa. Basta porem o vosso email, no cimo do blog à direita - há lá um campo. Se coiso, fica assim também.

publicado às 02:24

 

 

 

gd.jpg

 

Pessoalmente não acho que nada sobre mim tenha grande interesse. Aliás, sou um gajo extremamente desinteressante, diga-se.. No entanto recebo muitas perguntas de seguidores, e de outros, a quem nunca respondi, que sentem alguma curiosidade sobre a minha pessoa, sobre o blogue, e a página do facebook. Chegou hoje o dia de responder ao possível.

 

Nome
Gajo.  Ainda me lembro de ao início quererem que mudasse o nome da página, pois "gajo" era depreciativo. Era para ser. Na altura não se usava... hoje...até "gajas".

 

Idade
Não especificaram se era a mental. Se sim, 12.

 

Estado Civil
Perfeito.

 

Qual a tua área?
Normalmente, sala. E estudei mais que o Relvas.

 

Filme preferido?
Suspeitos do Costume.

 

Série
House of Cards; Braking Bad.

 

Música
Cure; David Bowie; Benjamim Clementine; Violent Femmes, etc.

 

Comida Favorita
Lulas.

 

Já ganhaste dinheiro com esta página?
Não. Nunca coloquei uma marca num post que não tivesse o exclusivo intuito de fazer rir.

 

Já te pediram para escrever algo a troco de algo?
Já, mas não era positivo para o que a página é, para mim, nem para quem me segue. No fundo nada que valesse a pena. Quando o fizer, se o fizer, digo.

 

Se sou humorista?
Não. Aliás a minha vida sempre foi muito longe da escrita de humor.

 

Se espero tirar proveito desta página?
Não. Nunca foi o meu intuito. O tempo verbal pode ser indicativo. O número de seguidores Ainda hoje me espanta. Ter 5 mil na primeira semana foi incrível. Se nunca tivesse parado de escrever durante vários meses, ciclicamente, hoje não sei quantos teria. Tive os meus períodos de abaixamento de forma. Antes das alterações no facebook tinha uma média de 100 seguidores por dia, atualmente para ter 1 é uma luta. Mantenho o mesmo espírito. Até hoje nunca pensei rentabilizar isto. Sempre foi uma distração e um local de exorcismo de minha parte. Amanhã não sei. Depende do que for.

 

Como é que conseguiste ter sucesso com a página do facebook e com o blogue?
Não faço a mínima. Talvez nunca me ter lamentado, ou dizer as coisas em tom de lamento. Falar em temas difíceis com humor, provavelmente foi o maior segredo (esta página tornou-se uma comunidade onde as pessoas desabafavam e riam. Eu só arranjava motivo para aparecerem). Nada foi pensado. Calhou assim. Quem cá vinha já tinha muitos problemas, não precisava dos meus. Queria rir, não chorar. Eu ajudava a fazer rir, e ajudavam-me rindo. Uma troca. Hoje continua a ser válido. Depois, respeitar os seguidores é fundamental. Escrever coisas que as pessoas gostam também ajuda. Ah, e interagir. A caixa de comentários deve ter feed-back de quem escreve. Esta pergunta e mais algumas foram feitas por pessoas que queriam abrir páginas. Sim, fui consultor em várias.
Outra coisa: gosto de ter seguidores, muitos, enche-me o ego. Não sou hipócrita. "Ah, não quero saber". Treta. Para isso escrevia e não publicava. Punha numa moldura e lia eu.

 

Sonhos
Saúde.

 

Dás aqui a tua opinião?
Raramente, apesar se alguém roubou é obvio que não concordo com isso. Mas tento evitar. Uma coisa é certa: nunca escrevo sobre a pessoa, mas sobre situações em que está envolvida. Por vezes não é fácil pois há seguidores que pessoalizam a situação. Se eu disser que uma "velha" não deve usar fio dental na praia antes de ir ao estendal, a "velha", para muitos estou com preconceitos. Por mim a velha usa sete fios ou anda nua. Que seja feliz. Esta seria a minha opinião, mas não teria graça. Se falo do PS os socialistas não gostam, do PSD os sociais democratas idem, e por aí a fora. Quero fazer rir, ponto!

 

Quanto tempo levo a fazer um texto?
Ter a ideia, pensar na estrutura, escrever, correções, gramática, pontuação, etc, cerca de 3 horas. Mas é variável.

 

Se acho piada ao que escrevo?
Raramente. Quando publico é raro pensar que está engraçado, ou que fará rir alguém. Tenho essa esperança, daí os vossos comentários, likes e partilhas serem importantes, para ter a ideia e sentir que vale a pena continuar. Quando não tiver reacções paro. Meto na moldura.

 

Que convites já tiveste?
Alguns, mas para escrever, que era o que me interessava, nenhum -remunerado. De borla às dezenas. Fui convidado para ir ao "5 para a meia noite", pelo Markl; para dar a cara em entrevista, para o DN; fazer uma foto-reportagem para o I, na altura das manifestações; mais uma coisa ou outra, como a entrevista no P3 do Público ou ser a página da semana na Antena 1 - nestas situações como o "Gajo".
Nunca aceitei nenhuma pois nunca quis exposição. Nunca quis ser o representante dos desempregados. Nem de mim faço um bom papel. Sou muito recatado, as luzes ferem-me as vistas. Também tive um convite para escrever um livro, como cheguei a dizer aqui, mas não era rentável, e com risco de perder dinheiro. Um convite, remunerado, para escrever, bola. Tiros ao lado.

 

Ambições profissionais?
Trabalhar no que gosto e sentir-me realizado. Depois se der para ser bem remunerado por isso, melhor. Prefiro ganhar menos e gostar do que faço. Pelo trabalho que dá, se só trabalhasse pelo dinheiro, tinha fechado esta página no primeiro dia.

 

Já pensaste em fechar a página?
Muitas vezes. Não o fiz por respeito aos seguidores; muitos vinham sempre dar uma palavra quando andava ausente. Acho isso incrível, lembrarem-se de mim. Muitos seguem-me desde o primeiro dia. Acho que nunca vou fechar, pode perder o "desempregado", fica o "Gajo".

 

Para terminar:

Quero dizer que esta página esteve longe de ser só gargalhadas e para mim nem sempre foi fácil ver diariamente pessoas a passarem por dificuldades, muitas das quais aprendi a gostar. Deste lado também não era/é fácil... Eu lia e recebia muitas histórias que gostavam de partilhar comigo. Por vezes era um peso grande. Felizmente há cada vez menos histórias. Haverá quem duvide disto, mas ainda há pouco tempo tive um comentário, público, de uma senhora que era seguidora diária, que passou por dificuldades, emigrou e hoje está muito feliz. Fez questão de mo dizer. Deixa-me honrado e feliz ao mesmo tempo. Reconforta-me sentir que "ajudei", sem saber, em determinada altura, e que não me esqueceram. Esta página tem uma história dura mas bonita, além das gargalhadas, que talvez os seguidores mais recentes não se apercebam tanto. Isso deixa-me tocado, admito.

 

Muitas outras perguntas foram feitas mas não saímos daqui, nem teriam grande interesse. Já estas...

 

Gajo

Tags:

publicado às 00:04

Poesia by Luís Freitas Lobo

por Gajo, em 08.05.17

 

freitass.jpg

 

A basculação

O harmónio

O desejo
O orgasmo
Feito bola, jogado sobre papel quadricular
Abre-se um latifúndio.

 

As movimentações interiores e exteriores de um jogo simples
Feito de transição entre linhas.
A ideia é a base de tudo
Uma casa tática desabitada; a caixa negra do jogo, a nave espacial, outro mundo.
Deixou de ser um jogo já é uma aula.

 

Podemos ver a alma dos jogadores
A busca de espaço com o pé trocado
O pé mentiroso
Que tem a bússola na ponta
Penso, logo, jogo!

 

Vemos o circuito sanguíneo do ponta-de-lança
Jogador com cheiro a rua
A loucura com duas pernas
Que corre caminhos
Que acaricia a bola
Que sente o cheiro do couro.

 

Age como um bisturi cirúrgico
A qualidade no corpo todo
Capaz de morrer e depois ressuscitar
Que fechou a porta e deixou a chave de fora
Este golo falhado é dos mais bonitos.

 

Este golo é perfeito para guardar e emoldurar
O futebol é alegria, arte, magia
Em estado puro.
O futebol é o microcosmos da vida
Acima disto não há mais nada.

 

Feito com frases do comentador Luís Freitas Lobo. Um poeta...

publicado às 15:55

abril.jpg

O 25 de Abril foi porreiro para que eu pudesse dizer disparates. Só por isso já valeu a pena. A meu ver, claro. Muitos dirão que mais valia estar calado. Uma opinião tão válida como as minhas. E é isso que ainda deixa muita gente aborrecida.

 

Não valorizamos o justo, mas quem fez o 25 de abril tinha uns tintins do tamanho de duas bolas de bilhar. Para mais, foram a caminho de Lisboa em chaimites. Um veículo discreto. Imaginem irem à festa de aniversário de um amigo, de cueca de lantejoulas e bota de bico, e esperarem que no caminho ninguém vos visse para ser surpresa.

 

Se não tivesse havido o 25 de abril e existisse facebook, só poderíamos ter três "amigos"...mais que isso seria uma conspiração.

 

O 25 de Abril foi O Dia da Liberdade, e o 25 de Abril de 2017, foi o dia de liberdade para Cavaco Silva. Foi a primeira vez desde há muitos anos que ficou livre de ter de comparecer nas comemorações desta data, que tanta urticária lhe provoca. Acho até que na terça-feira não abriu as janelas nem ligou a televisão para que o dia passasse rapidamente.
Suspeito que se Cavaco Silva não tivesse enveredado pela política, hoje seria taxista, a profissão onde o Oliveira é mais venerado.

 

A liberdade tem esta coisa gira que é permitir que quem não a aprecia (para os outros), o possa dizer.

 

Ps - Dizia uma senhora numa antena-aberta, que antes do 25 de abril não havia violência doméstica. Havia, só que não se sabia: não existia a CMTV. Ainda o marido não sabe que vai bater na mulher já a CMTV está em directo.

publicado às 15:07

O flagelo das "BACINAS"

por Gajo, em 20.04.17

lingua.jpg

 

Tal como qualquer um de vós tenho acompanhado esta questão da vacinação com interesse, e o que mais me inquieta como é óbvio é o flagelo das várias formas de dizer "vacinas".

 

De todas as que ouvi, a vencedora foi a de um senhor de Alpiarça, e gerente de loja, que disse "bacinas". Espectáculo. "Estás bacinado" ou vais-te "bacinar" só compete com uma "selada" e uma ida ao "cnema".

 

Mas não ficamos por aqui. Como faço trabalho de pesquisa em temas importantes como este, fui à procura de mais variantes. Então descobri mais três opções: "vácines", que é dito provavelmente por gente que vai muito a França; "vácinas", que não engana e é usado pelas "tias da linha". "Vá, o querido vá, vá levar as vácinas"; e "bácinas", pronunciado garantidamente por familiares do Senhor de Alpiarça, que já usam o novo acordo ortográfico.

É verdade que perdi algum tempo a ouvir os argumentos dos que são contra a vacinação, mas preferi ir ler sobre as provas irrefutáveis que existem sobre a Uber já ter OVNIs a fazer o Conde Redondo, Lamego, via Saturno.

Também não é de estranhar pois a SIC já tem cartomantes a fazer diagnósticos médicos por sessenta cêntimos + iva. Sem IVA é tipo clínica geral. Gripes e coisas do género.

 

Por acaso até fui à procura do meu boletim de vacinas. A última vez que o tinha visto ainda não fazia depilação. Basicamente na altura parecia um ouriço com peladas; mas felizmente não era por falta de vacinas. Estava junto a um disco em vinil das Doce, e por cima da fotografia de uma namorada que tive que se chamava Samantha Manuela. Calma que depois disso já fiz análises.

 

Tenho o boletim todo carimbado, o que diz que sou uma "bacina" humana.

publicado às 15:15

coposs.jpg

 

Sobre esta coisa das viagens de finalistas a Espanha só falto eu falar sobre o tema, com a eloquência que me é conhecida. Achei esta frase gira, a ver se consigo que vocês leiam o que escrevi, e quem sabe até, possam partilhar e comentar.

 

Primeiramente quero dizer ao dono do hotel que simpaticamente pôs álcool a escorrer das torneiras, para mil miúdos, sem vigilância, que foi uma sorte o hotel ainda estar de pé e não ter sido ele a ser recambiado para Portugal dentro de um colchão. Se repararem o Papa vem a Fátima, no que se espera ser um encontro pacato, e vão gastar-se milhões de euros em segurança. E em Fátima segundo as últimas notícias nem irá haver bar-aberto.

 

A segunda coisa que quero referir é que se fosse no meu tempo não passávamos da fronteira, nas rusgas da GNR aos autocarros à procura de haxixe. Não deixa de ser curioso que em Portugal se tente tirar as drogas aos miúdos, também para eles se portarem bem, e se chegue a Espanha e lhes deem mangueiradas de vodka.

 

É óbvio que qualquer um de nós nunca cometeu excessos em jovem. Eu por exemplo nas minha visitas de estudo acabava a noite a fazer um sarau de poesia, para me levantar fresquinho pois estava louco para ir visitar museus. Tudo isto enquanto os meu colegas iam beber uns copos, estar com raparigas, e ouvir música, tudo coisas do demónio.

Meus amigos, quem é que nunca alugou uma casa para fazer a passagem de ano e, de manhã, encontrou o bidé na cozinha a fazer de lava-loiça; um sofá junto à piscina; ou acordou numa zona de guerra, com uma desconhecida a falar estrangeiro vestida com o cortinado da sala? Eu não, claro, mas olhem que é mais comum do que se pensa.

 

Outra coisa, é a inocência do dono do hotel, que acreditou que se desse bar-aberto a mil putos, sem os ter bem vigiados, que às 10 da noite eles estariam na cama a ver o Panda, em vez de estarem a redecorar o hotel. A situação das televisões nas banheiras e as mangueiras desenroladas, tem muito a ver com um gosto pela decoração que tem crescido nos portugueses, desde que começou o Querido Mudei a Casa.

Já estou a imaginar o dono do hotel a dizer aos filhos quando vai passar o fim-de-semana fora, para levar os amigos lá para casa, que há vinho na prateleira, e que deixou o frigorífico cheio de cerveja, à espera que jovens cheios de testosterona e álcool se portem como acamados. Para mim isto tudo é como jogar à roleta russa com o tambor do revólver cheio de balas, e esperar que quando se apertar o gatilho, saia um dedinho a fazer cafuné.

 

No futebol há segurança; nos concertos também; em zonas de diversão idem, etc, por alguma razão, e estamos a falar de locais onde estão envolvidos adultos. Aliás no futebol nem se pode vender álcool, e não é por causa das crianças. Onde há álcool os cuidados devem ser redobrados. Já neste hotel dá-se álcool a crianças e é deixá-las em roda-livre. Certo!

 

E não, não estou a defender o que se passou, mas é preciso ver o quadro todo: se aquilo não fosse rentável para os hotéis espanhóis, acham que se mantinha há anos o convite para os alunos portugueses irem lá gastar uns milhões e partir aquilo? Apostam que para o ano este hotel recebe outros mil?

 

O hotel abarbatou-se com 40€ de cada miúdo e vai acionar o seguro, por causa de uns azulejos, uma televisão, alguns colchões, umas mangueiras esticadas, e uns extintores que ficaram vazios. Parece-me um belíssimo negócio: 40 mil euros e mais o seguro. O preço do colchão em Espanha está pela hora da morte. Os miúdos, alguns foram parvos, é certo, mas o dono de hotel de parvo não tem nada. Com uma migalha do valor tinha contratado segurança, os miúdos ainda lá estavam, e o hotel estava um brinco. Só não era tão rentável, não é?

 

Lembro-me perfeitamente da minha turma ser proibida de participar numa visita de estudo, por causa do barulho e de ter surripiado a venda de dormir a um dos professores. Imaginem descobrirem aos 17 anos que um professor dormia com um pano preto nos olhos? Isso é provocação. Tínhamos de fazer algo...

Fomos castigados, tal como estes miúdos serão apertados pelo que fizeram. Com isto irão crescer: uns tornar-se-ão Homens, outros delinquentes, e é assim desde sempre. Os jovens podem ter defeitos, mas oferecer-lhes álcool 24 horas por dia, para lhes sacar dinheiro, não os vai fazer perfeitos. Vão por mim.

 

Até eu que não era flor que se cheirasse em ambientes de folia acima do habitual, hoje não consigo trazer uns chinelos de um hotel e tenho vergonha de deixar o quarto desarrumado.

 

Por fim deixo a prova que estes miúdos ainda estão a crescer e de certeza que chegarão à altura de perceber que só no dia em que nos despedimos e já temos o cheque na mão é que dizemos tudo o que pensamos ao patrão.

 

E pronto, está feitinho.

publicado às 15:22

 

 

Gostava bastante que vissem este vídeo, e quem sabe possam mudar a má imagem que têm de Dias Loureiro, para mim uma pessoa injustiçada. Muitos não imaginam, mas este homem enfrentou várias dificuldades que a vida lhe colocou (que relata no vídeo), em prol de todos nós.

 

Publicamente quero endereçar as minhas desculpas aos cidadãos Dias Loureiro e Oliveira e Costa, por ter desconfiado que estariam envolvidos em coisas menos próprias que levaram à falência do BPN. Vem isto a propósito do arquivamento do "Ministério-público do inquérito contra Dias Loureiro e José de Oliveira e Costa, relacionado com o caso BPN", por não ter conseguido reunir "prova suficiente".

 

Acho muito bem! Ter provado que houve "engenharias financeiras complexas"; "decisões de gestão que levantaram suspeitas sérias"; "dúvidas sobre os reais fundamentos dos negócios"; e "pagamentos de comissões não justificadas", não chega para incriminar alguém. São precisas provas sérias!
Se tivessem pedido ao Dias Loureiro e ao Oliveira e Costa para enviarem os talões a comprovar as transferências dos "pagamentos de comissões não justificadas, não estávamos aqui com estas dúvidas. Só com isto não se passa de pás de lama sobre pessoas que fizeram da seriedade o lema das suas vidas.

 

Felizmente os investigadores não são pessoas cândidas que se deixam influenciar pelas aparências. São pessoas que se apanhassem a mulher com o melhor amigo, nus, na cama, a fumar um cigarro, não tiravam conclusões precipitadas, que por exemplo estariam a fazer amor. Meros indícios! O facto do melhor amigo se ter posto debaixo da cama é derivado a gostar de jogar ao esconde-esconde. Resumidamente o Ministério-Público reuniu provas que alegadamente são uns trafulhas, mas não as necessárias para retirar o "alegadamente". 

Por estarmos em altura de milagres faltam provas que não foi o "espírito santo" que se orientou com o papel do BPN. E como sabem o Espírito Santo está no meio de nós e por conseguinte metido em tudo. Curiosamente a este ninguém lhe deita a mão...Pois...

 

Para quem se lembra, Oliveira e Costa, na Comissão de Inquérito que investigou o caso BPN, fez mea-culpa, e assumiu implicitamente que geria o BPN como se de uma taberna se tratasse. Agora pensem comigo: como é que são feitas as contas nas tabernas? Eu respondo: papel manteiga. Para onde é que vai o papel-manteiga ao fim da noite numa taberna? Lixo, é claro! Agora pergunto: que culpa têm os homens?! Ainda por cima faziam reciclagem, além de cortarem o papel em tirinhas por causa do volume.

 

Se mais dúvidas houvesse que sou uma besta, e raramente dou ouvidos a pessoas que muito têm para me ensinar, como o Doutor Pedro Passos Coelho, que em 2015 alertou que Doutor Dias Loureiro era um "exemplo a seguir", e "alguém que conheceu mundo, um empresário bem-sucedido"; e que a Portugal faziam falta mais pessoas como ele para termos um país "pujante".

Se eu fosse inteligente tinha-me orientado no BPN e era hoje um Gajo cheio de "mundo", um "empresário bem-sucedido", e esta página chamava-se "Finalmente Sou Um Gajo Carregado".

 

Para terminar, o Estado já enterrou quase 16 mil milhões na banca, e cada português, mesmo que tenha 1 dia de vida, tem que abonar cerca de 1500 euros para cobrir o buraco. Felizmente, Ricardo Salgado, Oliveira e Costa, e Dias Loureiro, etc, são portugueses, e também eles contribuem com os seus 1500€, para este esforço coletivo.

 

E pronto, era só isto.

 

ps - atenção que o caso BPN continua a ser investigado, até ser tudo absolvido, arquivado, ou ter prescrito.

publicado às 15:46


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga o Gajo no Facebook


Mais sobre mim

foto do autor








Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D