Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

head.jpg

Este é um post dedicado aos homens que seguem a página (e às mulheres também). É um tema pouco tratado mas fulcral em muitas relações amorosas: falo obviamente da remoção de "pontos negros", "espinhas", ou "bicos". Dirijo-me àqueles mártires que sofrem horrores às mãos das suas caras-metades; mãos que deixam de ser delicadas e se transformam em garras, que vos escarafuncham a pele, até furar a carne para sacar aquela gordura viscosa. Dirijo-me àqueles mártires que parecendo que foram baleados, pedem clemência, e ainda são apelidados de "mariquinhas".

 

O processo tem várias etapas para a obtenção do objetivo:

 

A) Fase Sherlock Holmes. É o momento em que elas olham para nós com ar alucinado: "tens aí um bico a olhar para mim".

Primeira reflexão: o ponto negro não olha para ninguém e 95% das vezes não há ponto negro nenhum.

 

B) Fase Analista. Feita em registo fofinho para amansar a presa que está renitente: "deixa só ver, não te vou fazer nada, não sejas assim". "Não fujas"!

Como é óbvio a partir daqui não há volta atrás. Estão "cegas"!

 

C) Fase Canto da Sereia. A presa (nós) está praticamente dominada, só falta transmitir confiança que os seus dedos são bisturis e estão preparados para aquele ato médico. "Não uso as unhas, e se te doer paro logo, prometo. Não confias em mim"?

Claro que não confiamos e a promessa vale menos que o Banco Popular que foi vendido por 1€. Elas nunca param se doer. Até apertam mais pois já sabem que vamos fugir e dão tudo para nos rebentarem. Depois, usam sempre as unhas.

 

D) Fase Passos Coelho: "Tiro isso num instante, nem vais sentir". "Basta apertar um bocadinho. Já está cá fora e tudo".

Não está nada. Nós sabemos que não está e elas também.

 

E) Fase Chantagista. Como resistimos somos manipulados: "queres andar assim anda que estás bonito. Eu tinha vergonha".

Neste momento começa a coação psicológica. Ninguém nota um ponto negro e se nota ninguém nos vai achar bonitos ou feios por algo que mal se vê. Falam como se tivéssemos quatro orelhas e duas cabeças.

 

F) Fase Prova de Amor: "Se gostasses de mim deixavas". "Deixa estar. Não queres não queres". "Agora não venhas para o pé de mim com isso assim".

Nós já deixamos de ser uma pessoa, já só somos um ponto negro.

 

G) Fase é a Vida. Obviamente acabamos por ceder e tudo corre como prevíramos, só elas acham que não: "não está nada a doer, estou a tirar com cuidado"; "está mesmo a sair, não te mexas".

A doer? Naaa. Lá agora. Pimenta no rabo do outro é refresco. Estamos com elas em cima de nós a arfar e a abrir as narinas, como se estivessem a esventrar um porco. "Para quieto, assim é que te aleijo mesmo". Claro, é natural e óbvio que no fim de tudo a culpa só podia ser nossa. Adiante.

 

H) Fase Manipuladora. Nesta altura, de rastos, e dilacerados pela tortura, ouvimos afavelmente:  "anda cá, achas que te quero aleijar"?; "o pior já passou, afinal estava mais interior do que parecia".

Pois é. Calha sempre assim. E se não querem aleijar, disfarçam mal, pensamos nós. Mas desenganem-se, isto dá-lhes prazer. Por vezes fazem ar sério para parecer que estão a sentir a nossa dor e de repente disparam a rir. Elas sabem bem.

 

I) Fase Achincalho: esta é a parte onde vale tudo até arruinar o ego do homem por causa de um ponto negro. "Não sejas mariquinhas"; "até parece que te estou a magoar"; "és um homem"; "imagina se desses à luz".

Estas são as expressões que nos dirigem quando têm noção que nos estão a magoar mas não querem admitir. Enfim...

 

J) Fase Militar: começamos a espernear, já com um berlinde no lugar do ponto negro, e elas a morder o lábio, não facilitam: "já saiu um bocadinho, espera"!; "agora tiro tudo. Se aguentaste até aqui"!

Lembram-se que "não doía"? Já vamos no, "aguentaste até aqui".

 

L) Fase Mulher Cândida: parecemos um cristo, já temos três orelhas, e é quando veem a asneira que estiveram a fazer: "deixa estar, com tanta queixa não vale a pena"; "não quero que digas que te magoei".

Depois destas frases, por norma, andamos um par de dias marcados, com dores, e em vez do tal ponto negro que ninguém via, temos uma bola de pão interna.

 

M) Fase Parecia Mesmo: crivados de unhadas sem dó nem piedade, escutamos: "Afinal não era um ponto negro, era uma borbulha, mas parecia mesmo".

Jura! Naaaa!

 

N) Fase Contrição: "não ficou marca nenhuma, não estejas a mexer".

Os sortudos nesta fase recebem um beijinho em jeito de pedido de desculpas, acompanhado por uma festinha rápida para espalhar o sangue e disfarçar o lindo trabalho.

 

O) Fase Altruísta: "tens aí outro ponto negro, mas fica para a próxima... Não quero que digas que te quero massacrar".

Bonito! Acho que provavelmente querem que agradeçamos. Fico sempre com essa ideia.

 

EM CASO DE RARO SUCESSO NA REMOÇÃO DO PONTO NEGRO:

 

A) Fase Triunfante: "não está melhor assim"?; "custou alguma coisa"?

Neste caso ficam com um papo que ninguém as aguenta. Parece que descobriram a pólvora. O pior é que com isto pensam que garantiram créditos para repetirem a graça.

E quando nos querem mostrar o produto da tarefa cheias de orgulho? Aquele paté que nos sacaram do corpo. É realmente estranho. Tudo é estranho, diga-se.

 

A sério, para as fãs dos pontos negros, não o façam. É desagradável! Sim eu sei, há homens que gostam que lhes tirem. "Porquê"; "Porquê"?!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:22



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Siga o Gajo no Facebook


Mais sobre mim

foto do autor










Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D



Os que já se arrependeram...

Histats